Maria Cobogó | Maria Cobogó
16518
home,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16518,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.5,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Livros, Marias e Brasília

Nos conhecemos em um encontro de mulheres escritoras. Em comum, o amor à língua portuguesa e a vontade de criar.
Aos poucos vimos que nossas trajetórias e anseios eram comuns.
E tudo convergia ao fazer literário ligado à vida, sem limitações sociais de gênero.
Os pontos de convergência fizeram com que percebêssemos que nossa ligação vem de outras encadernações.
Como tudo o que acontece com Maria Cobogó, não desacreditamos de nada e, mais ainda, queremos construir imagens libertadoras.
As sete mulheres que formam o coletivo editorial Maria Cobogó não são uma amostragem da literatura que se faz nesse nosso quadrado – o Distrito Federal.
Não somos a representatividade específica de nada. Somos vozes que pretendem rasgar o véu da invisibilidade, extravasar espaços e ecoar para alcançar outras vozes e outras e outras, amplificando o discurso e a competência da escrita e na construção de um novo fazer literário.
Maria Cobogó quer mostrar que a literatura não tem dono nem lar. Nasce dos contos, dos cantos e dos encontros que a vida nos dá.
E como disse uma de nós, “somos Letras, somos Brasília, somos Brasil. Aqui resistimos, como o cerrado, com o cerrado. Aqui fazemos sentido”.