ESCRITORAS DE BRASÍLIA: AS MÃES DO MUNDO DE ALMAS LIVRES - Maria Cobogó
18958
post-template-default,single,single-post,postid-18958,single-format-standard,translatepress-pt_BR,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.5,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

ESCRITORAS DE BRASÍLIA: AS MÃES DO MUNDO DE ALMAS LIVRES

por Maria Félix Fontele * |

Nesses dias de isolamento, de pés descalços e cabelos soltos ao vento, a proximidade com os livros é maior. Arrumei a estante das obras de escritoras de Brasília. Nos últimos dois anos, adquiri mais de 40 livros concebidos pela verve feminina, em ritmo de poesias, romances, contos e crônicas, histórias infantis.

Coloquei-os enfileirados sobre o tapete para fotografá-los. São trabalhos de muitas mulheres nascidas no Distrito Federal ou em outros estados e que adotaram Brasília como sua cidade. Daqui do coração do Brasil, contribuem, com fertilidade criativa, para o fomento universal da cultura, da educação, da literatura, das artes e da inteligência. E pela grande produção, podemos ver que essa contribuição é gigante.

Hoje, elas estão no panteão das escribas! Vejamos que na antiguidade egípcia, os escribas (só no masculino) eram homens eruditos, preparados para interpretar textos e palavras e, assim, exerciam os mais altos cargos administrativos.  Eram reverenciados pela instrução que possuíam e também por toda uma estética linguística que sugeriam.

Na Brasília piramidal, com seus triângulos, subterrâneos, túneis e espirais, tão bem descrita no livro “De Aknaton a JK – das pirâmides a Brasília”, da professora Iara Kern, mulheres não só ocupam cargos administrativos relevantes mas também escrevem, escrevem e escrevem, num ato simbólico de resistência contra qualquer tipo de violência, de opressão e de preconceito. São as mães do mundo de almas livres.

E o meu tapete vai ficando pequeno para expor tantos livros de boa qualidade, produzidos a partir de uma mística feminina, na qual me incluo, pois vejo as escritoras como irmãs de alma, de criação, de caminhada. Olho para essas obras, embalo-as no pensamento em abraço suave como se fossem frutos frescos e doces colhidos em terras férteis, banhadas pelo rio eterno da imaginação.

 

***

*Maria Félix Fontele é jornalista e escritora. Escreveu Versos que me Habitam, publicado pela editora Confraria do Vento em 2018. Os poemas da autora já pousaram na Áustria, onde ganhou um concurso de poesia. É uma grande parceira do Coletivo Maria Cobogó.

 

#umpoema da autora:

REPÚBLICA

Proclamei minha república de versos

Sim, ainda dá tempo de ser feliz

Não arranquemos a última flor do jardim

Nem esqueçamos de amar o Brasil

***

Imagem: arquivo (e biblioteca) da autora