A IMPERATRIZ CHINESA SI-LIN-TCHI - Maria Cobogó
18925
post-template-default,single,single-post,postid-18925,single-format-standard,translatepress-pt_BR,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.5,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

A IMPERATRIZ CHINESA SI-LIN-TCHI

(História real)**

por Liev Tolstói* |

 

O imperador chinês Go-Na-Tchi tinha uma esposa adorada, Si-Lin-Tchi.

O imperador queria que todo o povo se lembrasse de sua adorada imperatriz.

Mostrou para a esposa um bicho-da-seda e disse:

Aprenda o que se pode fazer com essa lagarta e como cuidar dela e seu povo nunca vai se esquecer de você.

Si-Lin-Tchi passou a observar as lagartas e viu que, quando ficavam paradas, se formava uma teia por cima de seu corpo.

Desenrolou a teia, fez um fio e teceu um lenço de seda. Depois notou que a lagartas ficavam nos pé de amora.

Começou a juntar folhas de amoreiras e deu para as lagartas comerem.

Criou muitos bichos-da-seda e ensinou ao seu povo como cuidar deles.

Desde então passaram cinco mil anos e os chineses até hoje se lembram da imperatriz Si-Lin-Tchi e fazem festas em sua homenagem.

***

*Liev Nikoláievitch Tolstói é russo e nasceu em 1828 num lugarejo perto de Moscou. Formado em Direito, vegetariano e autor das maiores obras da literatura mundial, nunca pensou que um dia seria colaborador do Coletivo Maria Cobogó.

**O conto A Imperatriz Chinesa Si-Lin-Tchi integra o PRIMEIRO LIVRO RUSSO DE LEITURA, de Liev Tolstói (1828-1910), em Contos Completos, tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Segundo o tradutor: “Tolstói se dedicou pessoalmente, e por muito tempo, à educação de crianças camponesas. Um dos resultados desse empenho foi o contato com as técnicas narrativas peculiares das crianças. Junto com seus alunos, Tolstói produziu dezenas de contos, que constituíram o que chamou de Livros Russos de Leitura e Nova Cartilha.

(…)

De fato, Tolstói afirmou várias vezes, e desde cedo, que a linguagem popular apresentava qualidades expressivas superiores às da linguagem literária padrão, e um de seus artigos mais memoráveis, ainda em 1859, se intitula: ‘Quem deve aprender a escrever com quem, as crianças camponesas conosco, ou nós com as crianças camponesas?’