Maria Cobogó | Sobre
17757
page-template-default,page,page-id-17757,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.5,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

 

 

Cobogó – A origem

Hoje em alta, o cobogó foi criado em 1929, ano de grande crise, pelo comerciante português Amadeu Oliveira Coimbra, o alemão Ernst August Boeckmann e o engenheiro pernambucano Antônio de Góes em Recife-PE. As iniciais de seus sobrenomes formaram a deliciosa palavra COBOGÓ.

O cobogó foi uma solução para amenizar as calor nas casas pernambucanas e levantar paredes sem impedir a ventilação. Em Brasília, com sua arquitetura de vanguarda, o Cobogó teve seu ápice. Encontrou espaço e virou símbolo.

Maria é um nome comum. Muitas vezes usado pra denominar uma pessoa qualquer que não se conhece, uma “dona Maria”. Ao mesmo tempo que é a mãe de Jesus, senhora soberana. Um símbolo de força. Maria e Cobogó.

Mulheres comuns e senhoras soberanas que em um encontro no Nordeste brasileiro, não em Pernambuco, mas na sua vizinha Paraíba, na estonteante João Pessoa, estreitaram laços, deram as mãos e de quão boa foi a experiência, decidiram em Brasília seguir juntas arejar as letras, ventilar de palavras e iluminar de amizade.

Maria Cobogó. Uma confraria das letras. Uma associação de amigas. Uma parceria de ideias. Mulheres que se unem para realizar.