Maria Cobogó | Solange Cianni
17783
page-template-default,page,page-id-17783,page-child,parent-pageid-17768,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.5,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Solange Cianni

Solange Cianni

“O pai corta o mato com o facão, o irmão com a enxada fura o chão e o outro mais atrás enterra o grão.”

 

Sou carioca, geminiana, de maio de 1957. Cheguei em Brasília aos 14 anos. Era fevereiro, pleno verão. Troquei a praia de Ipanema pelas chuvas torrenciais típicas desta época, o que me fez rejeitar Brasília de cara. Achava as ruas todas iguais, não encontrava as esquinas, a cidade não tinha velhos e as árvores eram baixas e tortas. Aos poucos fui aprendendo a admirar o cerrado e a grandeza daquelas árvores resilientes, me encantando com a arquitetura super moderna da cidade e fazendo amigos que se tornaram minha família do coração até hoje. Também, aos poucos, o meu sotaque foi mudando, minha alma carioca casou com o Planalto Central.

 

Finalmente entendi que eu era co-autora da cidade que crescia junto comigo. Hoje digo com orgulho que Brasília é o meu lar.

 

Sou Pedagoga, psicopedagoga e terapeuta holística, membro do Colégio Internacional dos terapeutas da Unipaz /Df, com pós graduação em Comunicacion e Expression na Universidade de Barcelona, Espanha.

 

Nasci com alma de artista. Comecei criança na dança e adolescente no teatro. Como bailarina e atriz participei de diversos espetáculos dirigidos por
Hugo Rodas , Bibi Ferreira , Marcia Duarte ( coreógrafa ), Fernando Villar, Jonathan Andrade e Guilherme Reis, tanto no Rio quanto em Brasília.

 

Aprendi a ler com livros de poesia. A palavra e a melodia das rimas despertavam em mim alegria e imaginação.

 

Por isso, quando escrevo, gosto de usar palavras que rimam, que contam a história cantando. Assim, escrevi Clodoaldo Pé Descalço, Doce Princesa Negra e Dentro da Flor do Pequi. Todos pela LGE. Além de O Presente do Pajé, pela Franco Editora.

 

Tenho poemas e contos escritos para as antologias do Mulherio das Letras Nacional e contos para a Antologia de Contos Mulheres pela Paz do Mulherio das Letras Internacional, lançado na Alemanha.

 

A dramaturgia infantil surgiu com o texto Quem Tem Medo de Ter Medo?, peça dirigida por Fernando Villar.

 

Minhas andanças me levam a feiras de Livros no Brasil e no exterior. Ora fazendo performances, ora lançando livro ou apenas observando.

 

Projetos para o futuro? O relançamento do livro Clodoaldo Pé Descalço, com ilustração de Eliana Carneiro e o lançamento de contos eróticos.

 

Com essa vontade toda só podia me juntar com as Marias Cobogós. E juntas vamos contar, tecer e acontecer.

 

 

Curta o perfil: